fbpx

Criado fertilizante com esterco de vaca e pena de galinha

Uma série de estratégias está sendo testada na Europa para converter resíduos agrícolas ricos em nutrientes, como penas de galinha, esterco de vaca e caules de plantas em fertilizantes verdes. Cheios de fósforo e nitrogênio, os produtos reciclados podem ajudar a reduzir as emissões da agricultura intensiva e a dependência das importações de fertilizantes.

De acordo com Anthony King, da revista Horizon, que é a revista de pesquisa e inovação da União Europeia, a agricultura do continente produz uma grande quantidade de alimentos de alta qualidade, mas também grandes quantidades de resíduos de colheitas e animais de fazenda, incluindo cerca de 1,4 bilhão de toneladas de esterco a cada ano. 



Os resíduos agrícolas são embalados com nutrientes, mas geralmente são encontrados em moléculas orgânicas complexas, que levam tempo para se decompor em minerais para uso das plantas. O estrume é volumoso, difícil de transportar e geralmente é gerado longe dos campos. Consequentemente, os agricultores dependem de fertilizantes químicos que são frequentemente importados para a Europa. 

Embora o mercado de fertilizantes da UE esteja avaliado entre 20 e 25 bilhões de euros por ano, os fertilizantes sintéticos representam 80% dos produtos. O nitrogênio é produzido retirando o produto químico do ar e usando a energia dos combustíveis fósseis para convertê-lo em sais de amônio que as plantas consomem facilmente. O fósforo, outro ingrediente principal dos fertilizantes químicos, é produzido a partir de rochas extraídas principalmente em Marrocos, mas também na China e nos Estados Unidos. 


SEGURO AGRÍCOLA
Com a necessidade do produtor rural ter um seguro de lavoura sem burocracia, de fácil contratação e que protegesse seus altos investimentos contra intempéries climáticas, a SEGURAGRO inovou os serviços de atendimento e assessoria na contratação de seguro agrícola de lavouras para culturas de soja, milho, trigo, feijão, café, cana-de-açúcar e outras culturas.

SAIBA MAIS SOBRE SEGUROS AGRÍCOLAS

Fonte: Agrolink